…próxima fase da vacina para Aedes aegypti é teste em macacos; 100% da fazenda com energia solar…

Ambiente
Pesquisa melhora enzima que degrada plástico
Agência FAPESP (José Tadeu Arantes) – De 4,8 a 12,7 bilhões de quilos de plástico são lançados anualmente nos oceanos. Mantida a tendência, a quantidade deverá decuplicar por volta de 2025. É o que revelou um estudo publicado na revista Science em 2015, com dados de 2010.
Um dos fatores que fazem com que os plásticos sejam tão utilizados é justamente aquele que mais contribui para sua ameaça ao meio ambiente: a resistência à degradação. Ao ser descartada, uma garrafa PET (polietileno tereftalato) pode permanecer no meio ambiente por 800 anos.
Veja a íntegra da matéria

Tecnologia trata resíduos industriais gerando energia renovável
Jornal da USP – Os tratamentos tradicionais dos efluentes de processos industriais, ou seja, dos resíduos líquidos resultantes, ocorrem principalmente por meio da remoção de poluentes para, em seguida, despejá-los em cursos d’água. A busca por alternativas mais sustentáveis que essa, lançando mão de avanços tecnológicos, é o foco do trabalho de Vitor Cano, doutorando da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP. Mais do que tratar os resíduos, sua pesquisa pretende obter energia a partir deles.
Veja a íntegra da matéria

Saúde
Falta de verba pode atrasar testes de vacina contra o Aedes aegypti no Brasil
G1 (Thais Pimentel) Pesquisadores estão prontos para iniciar testes em macacos com a vacina que pode ser a primeira do mundo a combater o Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya, zika e febre amarela. No entanto, os estudos, feitos atualmente pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em parceria com a Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), o Instituto Butantan e a Fiocruz, correm o risco de serem paralisados por falta de verbas.
Veja a íntegra da matéria aqui

O futuro incerto da Hemobrás e o que o país perde se ela não vingar
GGN – (Rafael S. Barbosa e Márcio C. Castro) Se a empresa for de fato abandonada, o Brasil não perderá apenas a oportunidade de internalizar tecnologia de ponta e gerar ganhos econômicos, mas deixará sem tratamento adequado milhares de pessoas acometidas por doenças do sangue.
Veja a íntegra da matéria aqui

Zika elimina tumor humano avançado no sistema nervoso
Pesquisa Fapesp (Karina Toledo) Um estudo brasileiro mostrou, pela primeira vez em um modelo vivo, que o vírus Zika pode ser usado como ferramenta no tratamento de tumores humanos agressivos do sistema nervoso central.
Veja a íntegra da matéria aqui

Biomembrana é novidade no tratamento de lesões da hanseníase
Nossa Ciência – Pesquisadores do grupo de pesquisa Biotecnologia Molecular do Látex Vegetal, da Universidade Federal do Ceará (UFC), encontraram uma alternativa para tratar lesões causadas pela hanseníase: uma biomembrana desenvolvida a partir de proteínas vegetais com alto poder de cicatrização. Em alguns dos testes com voluntários com sequelas de hanseníase, ferimentos abertos há mais de 15 anos apresentaram cicatrização de aproximadamente 80% da lesão apenas três meses após o início do tratamento.
Veja a íntegra da matéria aqui

Energia
Fronteiras do etanol de cana-de-açúcar
Pesquisa Fapesp (Fabrício Marques) Mais de 100 nações exploram a cana-de-açúcar, mas o desempenho do Brasil nesse campo da agroindústria é singular. O país é o maior produtor mundial, com 646 milhões de toneladas colhidas na safra de 2017/2018, e as usinas do país têm rendimento elevado, fabricando açúcar e etanol em larga escala e recorrendo à queima de resíduos de cana para gerar eletricidade. Um grupo de pesquisadores do Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético da Universidade Estadual de Campinas (Nipe-Unicamp) dedicou os últimos cinco anos a estudar por que o modelo adotado no Brasil não teve o mesmo sucesso em outras nações de clima tropical e quais seriam as condições necessárias para que a América Latina e a África consigam ampliar a produção de bioenergia.
Veja a íntegra da matéria aqui

Brasil tem primeira fazenda de erva-mate com 100% de energia solar
A catarinense Gheno Erva-Mate, de Concórdia, se tornou a primeira ervateira brasileira autossustentável em energia, ao investir quase R$ 100 mil em um sistema de eletricidade produzida a partir da luz do sol. Com isso, a empresa garantiu abastecimento de todo o parque de máquinas, além de economizar em conta de luz e reduzir impactos ao meio ambiente.
Veja a íntegra da matéria aqui

Agricultura
Empresa especializada em agricultura de precisão desenvolve aplicativo para controle de fertilidade do solo
Pesquisa para Inovação (Suzel Tunes) – Ampliar a digitalização da agricultura no Brasil é o propósito da InCeres, em Piracicaba (SP), que utiliza inteligência artificial para prever a fertilidade do solo com base em entradas e saídas de nutrientes.
Veja a íntegra da matéria aqui

Ciência desenvolve melhorias na fabricação de produtos de babaçu
Embrapa – Adoção de máquina para desflocular o coco de babaçu, destinação do óleo de acordo com a acidez e modernização de equipamentos fabris. Essas foram algumas recomendações feitas por pesquisadores da Embrapa que elaboraram um diagnóstico analítico para a cadeia do babaçu. O trabalho contribui para a conservação da biodiversidade do Médio Mearim, na região dos Cocais, no Maranhão, e para a melhoria da qualidade de vida de comunidades tradicionais que lá habitam.
Veja a íntegra da matéria aqui

Bioeconomia
Braskem inicia operação de químicos e materias renováveis em Boston
Jornal do Comércio – A Braskem anunciou o início de uma operação em Boston, nos Estados Unidos, para a expansão de seus esforços de pesquisa, desenvolvimento e comercialização de químicos e materiais de origem renovável. A escolha do local visa a aproveitar o avanço da região em biotecnologia e materiais avançados. As atividades, segundo a Braskem, incluem pesquisa e desenvolvimento de biotecnologia e ciência de materiais, desenvolvimento de negócios e mercado e busca de tecnologias para parcerias estratégicas.
Veja a íntegra da matéria aqui

Inscrições abertas para o Prêmio Brasil Bioeconomia 2018
Portal Nacional de Seguros – Realizada pela Associação Brasileira de Biotecnologia Industrial (ABBI), premiação tem três categorias – ideia, pequenas e grandes empresas
As inscrições para o primeiro prêmio em bioeconomia avançada do Brasilestão abertas entre os dias 23 abril e 31 de maio de 2018. A iniciativa pioneira no País tem como objetivo celebrar projetos de vanguarda em biotecnologia industrial, biologia sintética, biomateriais, biorrefinarias, produtos e processos de base biológica. Os vencedores serão conhecidos no dia 26 de julho no I Fórum Brasil Bioeconomia, em São Paulo (SP). O evento vai contar com lideranças nacionais e internacionais do setor para debater as inovações que podem transformar o futuro do Brasil e do mundo.
Veja a íntegra da matéria aqui

Alimentos
Frutas brasileiras são ricas em antioxidantes e anti-inflamatórios
As frutas nativas brasileiras são fontes de substâncias antioxidantes e anti-inflamatórias, bem como de uma grande diversidade de compostos fenólicos, os quais podem propiciar importantes benefícios para a saúde humana. Essa é a conclusão de um estudo desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba. Em parceria com a Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) da Universidade de Campinas (Unicamp), a pesquisa da engenheira de alimentos Jackeline Cintra Soares avaliou o potencial antioxidante, anti-inflamatório e a composição fenólica de dez frutas nativas brasileiras ainda pouco conhecidas pela ciência, como o cajá e o cambuci.
Veja a íntegra da matéria aqui