Reportagem da publicação Labiotech relata como pesquisadores do John Innes Center, de Londres, desenvolveram um processo para selecionar genes em espécies selvagens de trigo que resistem às doenças para introduzi-los nas culturas tradicionais atacadas pelo fungo “ferrugem da haste”. Eles sequenciaram o DNA dessas linhagens para identificar os genes chave que tornam a planta resistente. Através de técnicas de escaneamento do genoma do “parente” silvestre é possível escolher os genes de resistência em um curto período de tempo.
Uma vez que os genes são identificados e clonados, eles podem, ou ser inseridos na cultura doméstica utilizando engenharia genética, ou gerados seletivamente através do cruzamento de linhagens. Com o cultivo de brotos de trigo sob luzes LED especiais, em laboratório, o crescimento é duas vezes mais rápido do que no campo, levando oito semanas por geração. Veja aqui a reportagem da Labiotech.

A revolução verde será azul. Algas e a bioeconomia
A produção e uso de algas para fins econômicos ainda ocorre em pequena escala. O interesse pelas algas como fonte de energia renovável, para substituir combustíveis fósseis, teve um grande impulso nos anos 2000, mas arrefeceu com a queda dos preços do petróleo em 2014. Hoje cresce no mundo o uso de algas para aplicações em nutracêuticos, nos mercados químicos e de cosméticos. Mas há várias outras possibilidades em desenvolvimento que sinalizam um grande potencial. Por exemplo, como alternativa para alimentos baseados em laticínios e carne. Ou na produção de materiais de alta performance para substituir plásticos ou tecidos que não absorvem água. Ou ainda no tratamento de efluentes e esgotos. Veja um panorama dessa evolução na reportagem da publicação Bio-Based World News “The green revolution will be blue: Harvesting algae for de bio-economy.

Mercado de filmes de biopolímero deve ultrapassar 6,7 bilhões de dólares em 2025
O segmento de alimentos e bebidas liderou o mercado global de filmes de biopolímero em 2017. O crescimento dessa indústria deverá se acentuar com a expansão da demanda por alimentos embalados, que se deve à elevação da renda per capita e ao aumento das populações de trabalhadores em várias partes do mundo. De acordo com relatório da Global Market Insights, o mercado mundial desses produtos deverá ultrapassar 6,7 bilhões de dólares em 2015. O tamanho geral do mercado é largamente impulsionado pela demanda dos consumidores por embalagens ecologicamente corretas.
Veja aqui a matéria da Bioplastics Magazine