Autor: Interface CTI

Pluris Aceleradora apresenta cinco novas startups ao mercado

(Ascom Pluris) Empresas foram anunciadas no último dia 2 e receberão apoio para o desenvolvimento do negócio pelos próximos cinco meses. Trabalho oferece mentorias, treinamentos, workshops e contatos com investidores A Pluris Aceleradora, de Ribeirão Preto, apresenta ao mercado cinco novas empresas que passam a integrar o seu portfolio de aceleração a partir de agosto. As empresas, selecionadas entre mais de 500 inscritas, são a Porvir (São Paulo), VibEye (Fortaleza), Mundo4D (São Paulo), Venuxx (São Paulo) e Trilhante (Ribeirão Preto) e foram anunciadas no último dia 2. Nas duas primeiras semanas do programa – que tem duração de cinco meses, os empreendedores passam por uma capacitação intensiva, o chamado bootcamp. “Neste período, as empresas aceleradas participam diariamente de mentorias com diversos especialistas que irão ministrar conteúdos importantes para o desenvolvimento do negócio.”, explica Ricardo Agostinho, CEO da Pluris. Entre as atividades, estão previstas a realização de workshops de Business Model Design e o Value Propositon Canvas como ferramentas para inovação e estratégia, além de testes de usabilidade com alguns usuários, dinâmicas e atividades práticas. Depois da fase inicial, as empresas participam de encontros semanais, com mentorias durante todo o período, garantindo a evolução, cadência e alcance de metas do negócio. Ao final do programa, as startups têm a oportunidade de ficar frente a frente com o grupo de investidores e empresas ligadas ao Grupo SEB. Conheça as startups: Mundo4D...

Leia mais

Veja quais são as dez tecnologias emergentes apontadas pelo World Economic Forum

Mercado global de bioplásticos deve alcançar US$ 68,57 bilhões em 2024; Burberry lança coleção com fios de resíduos reciclados As dez tecnologias emergentes em 2019 segundo o WEF Relatório publicado pelo World Economic Forum, em julho, relaciona as dez tecnologias que na avaliação dos especialistas devem impactar a vida econômica e social do mundo nos próximos anos. Essas tecnologias emergentes, de caráter disruptivo e positivo, vão alterar a ordem existente, atrair investidores e pesquisadores, e ganhar escala nos próximos cinco anos. São elas: 1) Bioplásticos para a economia circular. Menos de 15% do plástico produzido mundialmente é reciclado. O...

Leia mais

BIO Latin America 2019: 3 e 4 de setembro. Biotecnologia e ciências da vida na América Latina

Evento vai reunir executivos, líderes da indústria, formuladores de políticas, empreendedores, pesquisadores e investidores de vários países. Na agenda debates sobre tendências, sobre os mais recentes desafios do setor; informações sobre as companhias mais inovadoras e novas conexões para oportunidades. O Bio Latin America acontece em São Paulo no Grand Hyatt Hotel nos dias 3 e 4 de setembro. Veja mais informações no...

Leia mais

As 20 maiores biotecs da Europa; relatório mostra crescimento dos bioprodutos nos EUA; espanhola Zara quer confecções sustentáveis…

Panasonic cria unidade para plásticos de vegetais; Canadá faz desafio para trocar isolantes de ambientes As 20 maiores companhias industriais de biotecnologia da Europa A publicação Labiotech fez um levantamento das principais empresas de biotecnologia da Europa e relacionou 20 delas que se destacam no desenvolvimento de alternativas sustentáveis para os processos industriais petroquímicos. “Na Europa, o setor de biotecnologia industrial está crescendo rapidamente como resposta ao impacto ambiental dos atuais métodos de produção químicos usados em todas as indústrias”, diz a revista. Entre os integrantes dessa classificação estão, por exemplo, a holandesa Avantium, com duas plantas piloto para...

Leia mais

Cientistas produzem compostos químicos de alto valor a partir de coproduto do biodiesel

(Fonte Embrapa) Pesquisadores da Embrapa Agroenergia (DF) estão usando a glicerina gerada no processo de produção de biodiesel para obter compostos químicos valorizados pela indústria. O coproduto é usado por microrganismos como fonte de carbono para a produção de ácidos orgânicos e outras substâncias (polióis, dióis e cetonas) que podem ser vendidas para indústrias farmacêuticas, alimentícias, cosméticas e químicas. Isso significa que, com o aproveitamento desse coproduto, a indústria poderá lucrar entre dez e 100 vezes mais do que comercializar a glicerina bruta, a depender do composto químico produzido e para qual finalidade. Trata-se de um destino mais nobre e uma forma de valorizar a glicerina, que costuma ser vendida em sua forma bruta ou purificada, ou ainda queimada nas próprias usinas de biodiesel para gerar energia. A glicerina é gerada na produção do biodiesel e provém da mistura de um álcool com um óleo vegetal ou gordura animal, reação que é acelerada com a adição de um catalisador químico para formar o combustível. Dessa reação surge um volume composto aproximadamente de 90% de biodiesel e 10% de glicerina. De acordo com a Agência Nacional de Petróleo (ANP), em 2018 foram produzidos mais de 5,3 milhões de metros cúbicos de biodiesel. O projeto de pesquisa teve duração de quatro anos e obteve bons resultados ao avaliar glicerinas oriundas do biodiesel fabricado a partir de soja e dendê. “Conseguimos mostrar...

Leia mais

ACATE implanta nova sede do LinkLab Ágora, em Joinville

(Ascom Acate) A Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE) inaugurou, em 2 de julho, a nova sede do LinkLab, programa estratégico da Associação que visa aproximar grandes corporações de startups inovadoras para efetivação de negócios. Instalado em Joinville, no Ágora Tech Park, a nova unidade do programa tem como foco o conceito de inovação aberta. O LinkLab oferece apoio especializado para as startups em jurídica, contábil, branding e outras. A ACATE calcula um índice de 40% de sucesso nos negócios entre as empresas e as startups a partir do relacionamento estruturado no LinkLab.  “O LinkLab Primavera foi inaugurado há dois anos no Centro de Inovação ACATE Primavera, em Florianópolis, e consiste em um programa de inovação aberta promovido pela ACATE para ajudar as médias e grandes empresas a pensarem e agirem de forma inovadora, se conectando com startups e todo o ecossistema de inovação de Santa Catarina, que é um dos ecossistemas mais bem estruturados da América Latina”, afirma Sílvio Kotujansky, vice-presidente de Mercado da ACATE. “Além de ajudar as médias e grandes empresas, o LinkLab é uma grande oportunidade para acelerar a participação de startups de todo o Brasil no mercado”, complementa. No mês de agosto, será inaugurado também o LinkLab São José, formando o início de uma rede com três LinkLabs, que pretende crescer para ajudar empresas de várias regiões no seus desafios de inovação. Em Joinville, o...

Leia mais

Biotechtown: Belo Horizonte ganha força como polo de inovação em biotecnologia e ciências da vida

Criado em julho de 2018, o centro de desenvolvimento Biotechtown, de Belo Horizonte, apoia hoje nove empresas nascentes das áreas de biotecnologia e ciências da vida, com uma abordagem diferenciada no cenário da inovação no país. A proposta é integrar vários componentes necessários para o desenvolvimento – mentorias, treinamento, financiamento, rede de contatos, laboratórios – para que as empresas possam transpor a fase mais difícil de nascimento e consigam se estabilizar no mercado. Três delas relatam na reportagem como vem sendo esse processo e suas expectativas de crescimento. A Jade Autism mantém um portal web com jogos destinados a...

Leia mais

Primeiro hub de inovação agro do Centro-Oeste firma parcerias com o governo de Goiás e UFG

(Ascom Conexa) O primeiro hub de inovação voltado ao agronegócio do Centro-Oeste foi inaugurado no último dia 18 e firma duas parcerias. Durante a cerimônia de lançamento do Conexa, foram assinados protocolos de intenções com o Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e com a UFG (Universidade Federal de Goiás). O objetivo das parcerias é promover o desenvolvimento e o fomento de startups e de iniciativas tecnológicas destinadas ao desenvolvimento do agronegócio, abrangendo as áreas operacionais, de produção, comercialização, logística, gestão, de ensino, pesquisa e extensão.   Segundo o CEO do Conexa, Eduardo Bitu, é motivo de satisfação perceber que o de propósito de conectar a transformação do campo também é compartilhado por instituições tão relevantes. “Essa convergência do entendimento sobre os desafios do agronegócio e como podemos somar esforços com o mesmo propósito foi fundamental para a formalização de protocolos de intenção.” Em relação à UFG, Bitu destacou que o conhecimento gerado na academia e uma agenda facilitada para construir soluções de forma colaborativa representa maximizar as possibilidades de superar os desafios na jornada da inovação. “Além disso, traz a possibilidade de proporcionar maiores oportunidades de empreendedorismo para jovens que desejem empreender conosco, formando um ecossistema colaborativo ideal.” Para o reitor da Universidade Federal de Goiás, Edward Madureira Brasil, o hub terá um impacto relevante para o desenvolvimento tecnológico e...

Leia mais